O projeto Moradias Infantis, dos escritórios brasileiros Aleph Zero e Rosenbaum, venceu o Prêmio Internacional RIBA 2018. Localizado em Formoso do Araguaia, no estado do Tocantins, o novo complexo escolar oferece acomodação para 540 crianças que frequentam a Escola Canuanã. O Prêmio Internacional RIBA é concedido a cada dois anos para um edifício que exemplifique a excelência em projeto e a ambição arquitetônica, além de proporcionar um impacto social significativo. Moradias Infantis foi reconhecido por sua visão em imaginar a arquitetura como uma ferramenta para a transformação social.BLOG OM 28-02-2019-02 BLOG OM 28-02-2019-03 BLOG OM 28-02-2019-05

Como um dos prêmios de arquitetura mais rigorosamente avaliados no mundo, o vencedor do Prêmio Internacional RIBA é escolhido dentre muitos edifícios visitados por um grupo de especialistas internacionais. O projeto Moradias Infantis foi escolhido a partir de uma lista de quatro novos edifícios excepcionais por um grande júri presidido pela renomada arquiteta Elizabeth Diller (DS+R). Financiado pela Fundação Bradesco, é uma das quarenta escolas administradas pela instituição que oferece educação para crianças em comunidades rurais em todo o Brasil. Os arquitetos Gustavo Utrabo e Petro Duschenes, do Aleph Zero, desenvolveram o projeto em colaboração com Marcelo Rosenbaum e Adriana Benguela, do estúdio de arquitetura e design Rosenbaum.

BLOG OM 28-02-2019-06

Combinando uma estética contemporânea com técnicas tradicionais, a obra foi descrita pelo júri como “reinventando o vernáculo brasileiro”. O edifício é construído com recursos locais e baseado em técnicas locais. Blocos de terra feitos à mão no local foram usados para construir as paredes e treliças, escolhidos por suas propriedades térmicas, técnicas e estéticas. Além de ser rentável e ambientalmente sustentável, esta abordagem cria um edifício com fortes ligações ao meio envolvente e à comunidade que serve.

Gustavo Utrabo e Pedro Duschenes, diretores da Aleph Zero, disseram: “Estamos entusiasmados por termos sido agraciados com o Prêmio Internacional RIBA 2018. Foi uma alegria ver as crianças construindo o prédio e adaptando o espaço para atender às suas necessidades. “Estamos profundamente honrados com o Prêmio Internacional RIBA. Este prêmio fortalece nossa compreensão da arquitetura como uma ferramenta para a transformação social, uma ferramenta que transcende a construção e cria uma conexão profunda entre os jovens e seus ancestrais e conhecimento “. (Marcelo Rosenbaum e Adriana Benguela, diretores da Rosenbaum).

BLOG OM 28-02-2019-07 BLOG OM 28-02-2019-08 BLOG OM 28-02-2019-09

O júri do Prêmio Internacional RIBA 2018 foi composto pelos arquitetos Elizabeth Diller (DS+R), Kazuyo Sejima (SANAA), Joshua Bolchover (Rural Urban Framework), Gloria Cabral (Gabinete de Arquitectura) e Peter Clegg (Feilden Clegg Bradley Studio). As seguintes inscrições finalistas destacadas foram:

  • Central European University (Fase 1), Budapeste, por O’Donnell + Tuomey. Um novo campus universitário no coração de Budapeste, que liga com sucesso edifícios antigos e pátios para criar novos espaços vibrantes.
  • Escola de Música Tohogakuen, Tóquio, de Nikken Sekkei. Uma nova escola de música virtuosa projetada para conectar visualmente, ao invés de isolar, músicos praticantes.
  • Il Bosco Verticale (Floresta Vertical), Milão, por Boeri Studio. A segunda de duas torres residenciais em Milão, onde árvores e humanos coexistem, foi projetada para estabelecer um novo padrão em habitações sustentáveis.

Em 2016, o Prêmio Internacional RIBA inaugural foi concedido à Grafton Architects por seu extraordinário edifício universitário UTEC (Universidade de Engenharia e Tecnologia) em Lima, Peru.

 

Fonte