Condomínios geram investimentos em um mercado bastante explorado no Brasil. Com a queda dos preços devido à crise, mais pessoas resolvem investir.

Um dos segmentos exclusivos que tem chamado a atenção é o mercado de imóveis de luxo, que cresce em Teresina apesar da crise instalada no país. O advogado previdenciarista, Carlos Magalhães Junior, comentou que queria investir num imóvel maior e que o mercado de imóveis populares não condizia com as expectativas. “Queria um imóvel maior, com excelente localização, com boa estrutura de lazer, mas nenhum dos que haviam sido lançados no período tinham suprido essas necessidades”, comentou.

Carlos conta que o valor mais caro é pago devido a infraestrutura do prédio. “O valor é agregado pela localização privilegiada, acabamento, áreas de lazer. Se o imóvel tiver esses requisitos o valor mais caro vale a pena ser pago”, ressaltou.

André Baia, presidente do Sindicato das Indústrias de Construção no Estado do Piauí, (SINDUSCON), comentou que é complicado falar sobre os investimentos em imóveis devido à falta de dados oficiais, mas que a última faixa de renda é sempre a última a ser afetada pela crise e isso explicaria o porquê da estabilidade do mercado de imóveis de luxo.

As construtoras, por sua vez, investem em empreendimentos de impacto para surpreender o consumidor. Com mais de 40 anos no mercado de construção de imóveis nos estados do Piauí, Maranhão e Ceará, a Mota Machado em Teresina é exemplo de como o mercado está aberto no Nordeste.

No mês passado, a empresa inaugurou o Reserva do Horto Condomínio Park, condomínio de luxo em área privilegiada da zona leste da capital, com venda de todos os apartamentos ainda na planta e já prepara o próximo lançamento. O Mirante Theresina, com apenas dois apartamentos ainda disponíveis, também é um sucesso de vendas.

Kristine Freire, responsável pela empresa em Teresina, conta que o mercado está voltando a se movimentar. “Atribuo esse sucesso à credibilidade da Mota Machado no Nordeste. O mercado estava estagnado. Agora estamos vivendo uma movimentação do mercado imobiliário no Brasil devido à baixa dos preços, especialmente no seguimento de luxo”, explicou.

Trabalhando com seriedade, compromisso e responsabilidade, a construtora ainda afirma que, é sim, hora de adquirir um imóvel. O diretor de incorporações, Felipe Capistrano, afirma que existem possibilidades de adquirir um imóvel vendo seu melhor custo-benefício.

“Apesar de estarmos em um momento crítico, a Mota Machado se preocupa com a qualidade dos seus empreendimentos, não correndo o risco do bom e velho ditado ‘o barato sai caro’ ocorrer com algum dos nossos empreendimentos”, ressaltou.

O diretor afirma ainda que os profissionais, materiais, produtos e parcerias de boa qualidade assinam o porquê de adquirir um imóvel da construtora e afirma que é possível investir bem mesmo durante a crise se o consumidor pesquisar bem e escolher através de aspectos relevantes.

Fonte: Publicidade e Imobiliária